Evangelho no lar

“A felicidade não é deste mundo” (Eclesiastes)

PRECE
Queridos irmãos vamos, juntos, unirmos nossos corações em prece, agradecendo a Deus e a Jesus por mais este dia e por mais esta oportunidade valiosa de estudo, onde compartilhamos momentos de reflexões, de vibrações e de paz que nos deixam harmonizados.
Permita Mestre Jesus, que nossos mentores espirituais estejam ao nosso lado, nos inspirando e dando-nos os esclarecimentos que necessitamos para colocar Teus ensinamentos em nossas vidas, nas ações de nossos dias.
Que ao término de nossos estudos, possamos estar mais pacificados, esclarecidos, compreendendo melhor as nossas dificuldades e a de nossos semelhantes, compreendendo melhor a vida, compreendendo nossas próprias fragilidades e assim, seguirmos confiantes através do caminho que veio nos mostrar.
Que em Teu nome Mestre Jesus, em nome da espiritualidade amiga que coordena esta tarefa, mas sobretudo em nome de Deus, iniciamos mais um Estudo do Evangelho.
Esteja conosco, Senhor, agora e sempre.  
Que assim seja

MENSAGEM INICIAL
Felicidade Possível

Acreditavas que a felicidade seria semelhante a uma ilha fantástica de prazer constante e paz permanente. Um lugar onde não houvesse preocupação, nem se apresentasse a dor; no qual os sorrisos brilhassem nos lábios, e a beleza engrinaldasse de festa as criaturas. 

Uma felicidade feita de fantasias parecia ser a tua busca. 
Planejastes a vida, objetivando encontrar esse reino encantado, onde, por fim, descansasses da fadiga, da aflição e fruísses a harmonia. 

Passam-se anos, e somas frustações, anotando desencantos e amarguras, sem anelada conquista. 

Lentamente, entregas-te ao desânimo, e sentes que estás discriminado no mundo, quando vês as propagandas apresentadas pela mídia, nas quais desfilam os jovens, belos e jubilosos, desperdiçando saúde, robustez, corpos venusinos e apolíneos, usando cigarros e bebidas famosas, brincando em iates de luxo, ou exibindo-se em desportos da moda, invejáveis, triunfantes... 

Crês que eles são felizes... 

Não sabes quanto custa, em sacrifício e dor, alcançar o topo da fama e permanecer lá. 

Sob quase todos aqueles sorrisos, que são estudados, estão a face da amargura e as marcas do ressaibo, do arrependimento. 

Alguns envenenaram a alma dos charcos por onde andaram, antes de serem conhecidos e disputados. 

Muitos se entregaram a drogas perturbadoras, que lhes consomem a juventude, qual ocorreu com as multidões de outros, que os anteciparam e desapareceram. 

Esquecidos e enfermos, aqueles que foram pessoas-objeto, amargam hoje a miséria a que se acolheram ou foram atirados. 

Felicidade, porém, é conquista íntima. 

Todos os que se encontram na Terra, nascidos em berços de ouro ou de palha, homenageados ou desprezados, belos ou feios, são feitos do mesmo barro frágil de carne, e experimentam, de uma ou de outra forma, vicissitudes, decepções, doenças e desconforto. 

Ninguém, no mundo terreno, vive em regime especial. O que parece, não excede a imagem, a ilusão. 

Se desejas ser feliz, vive, cada momento, de forma integral, reunindo as cotas de alegria, de esperança, de sonho, de bênção, num painel plenificador. 

As ocorrências de dor são experiências para as de saúde e de paz. 

A felicidade não são coisas: é um estado interno, uma emoção

Abençoa os acidentes de percurso, que denominas como desdita, segue na direção das metas, e verás quantas concessões de felicidade pela frente, aguardando por ti. 

Quem avança monte acima, pisa pedregulhos que ferem os pés, mas também flores miúdas e verdejante relva, que teimam em nascer ali colocando beleza no chão. 

Reúne essas florezinhas em um ramalhete, toma das pedras pequeninas fazendo colares, e descobrirás que, para a criatura ser feliz, basta amar e saber discernir, nas coisas e nos sucessos da marcha, a vontade de Deus e as necessidades para a evolução. 

Livro: Luz Viva -  Joanna de Ângelis/Divaldo Franco – mens. 2.

 

LEITURA DO EVANGELHO
Capítulo V – Bem aventurados os aflitos

Instruções dos Espíritos: III – A Felicidade não é deste mundo - item 20
FRANÇOIS-NICOLAS-MADELAINE
Cardeal Morlot, Paris, 1863
 
20 – Não sou feliz! A felicidade não foi feita para mim! Exclama geralmente o homem, em toda as posições sociais. Isto prova, meus caros filhos, melhor que todos os raciocínios possíveis, a verdade desta máxima do Eclesiastes: “A felicidade não é deste mundo”. Com efeito, nem a fortuna, nem o poder, nem mesmo a juventude em flor, são condições essenciais da felicidade. Digo mais: nem mesmo a reunião dessas três condições, tão cobiçadas, pois que ouvimos constantemente, no seio das classes privilegiadas, pessoas de todas as idades lamentarem amargamente a sua condição de existência.
Diante disso, é inconcebível que as classes trabalhadoras invejem com tanta cobiça a posição dos favorecidos da fortuna. Neste mundo, seja quem for, cada qual tem a sua parte de trabalho e de miséria, seu quinhão de sofrimento e desengano. Pelo que é fácil chegar-se à conclusão de que a Terra é um lugar de provas e de expiações.
Assim, pois, os que pregam que a Terra é a única morada do homem, e que somente nela, e numa única existência, lhe é permitido alcançar o mais elevado grau de felicidade que a sua natureza comporta, iludem-se e enganam aqueles que os ouvem. Basta lembrar que está demonstrado, por uma experiência multissecular, que este globo só excepcionalmente reúne as condições necessárias à felicidade completa do indivíduo.
Num sentido geral, pode afirmar-se que a felicidade é uma utopia, a cuja perseguição se lançam as gerações, sucessivamente, sem jamais a alcançarem. Porque, se o homem sábio é uma raridade neste mundo, o homem realmente feliz não se encontra com maior facilidade.
Aquilo em que consiste a felicidade terrena é de tal maneira efêmera para quem não se guiar pela sabedoria, que por um ano, um mês, uma semana de completa satisfação, todo o resto da existência se passa numa sequência de amarguras e decepções. E notai, meus caros filhos que estou falando dos felizes da Terra, desses que são invejados pelas massas populares.
Consequentemente, se a morada terrena se destina a provas e expiações, é forçoso admitir que existem, além, moradas mais favorecidas, em que o Espírito do homem, ainda prisioneiro de um corpo material, desfruta em sua plenitude as alegrias inerentes à vida humana. Foi por isso que Deus semeou, no vosso turbilhão, esses belos planetas superiores para os quais os vossos esforços e as vossas tendências vos farão um dia gravitar, quando estiverdes suficientemente purificados e aperfeiçoados.
Não obstante, não se deduza das minhas palavras que a Terra esteja sempre destinada a servir de penitenciária. Não, por certo! Porque, do progresso realizado podeis facilmente deduzir o que será o progresso futuro, e das melhoras sociais já conquistadas, as novas e mais fecundas melhoras que virão. Essa é a tarefa imensa que deve ser realizada pela nova doutrina que os Espíritos vos revelaram.
Assim, pois, meus queridos filhos, que uma santa emulação vos anime, e que cada um dentre vós se despoje energicamente do homem velho. Entregai vos inteiramente à vulgarização desse Espiritismo, que já deu início à vossa própria regeneração. É um dever fazer vossos irmãos participarem dos raios dessa luz sagrada. À obra, portanto, meus caros filhos! Que nesta reunião solene, todos os vossos corações se voltem para esse alvo grandioso, de preparar para as futuras gerações um mundo em que felicidade não seja mais uma palavra vã.

 

REFLEXÕES: Muitos cultivam a convicção de que a felicidade é ter uma vida tranquila, sem problemas, mas o que seria da nossa existência sem os desafios? São eles que nos movem, são eles que nos fazem levantar pela manhã e sair em busca do pão de cada dia. O excesso de tranquilidade nos paralisa, nos torna pessoas desinteressadas em aprender e progredir. As dificuldades têm função educativa. Como conseguiríamos desenvolver a compaixão sem a compreensão da dificuldade do outro? Passarmos por problemas facilita a nossa compreensão. A expectativa de uma vida tranquila e sem problemas nos levaria a uma vida aborrecida e sem valor. Atualmente a felicidade tornou-se a busca incessante da aquisição e renovação dos bens materiais. As pessoas se sentem-se obrigadas a seguir as tendências do momento, mesmo que não percebam, e se tornam infelizes e desesperançadas. Hoje o “TER” tornou-se mais necessário do que o “SER”. Mas, tanto antigamente quanto hoje, encontramos relatos de falta de perspectiva, de um vazio presente nas pessoas que, independentemente de sua condição social, as faz sentirem-se tristes. Quando buscamos no livro de Eclesiastes, a frase “a felicidade não é deste mundo”, não a encontramos escrita de forma direta, mas sim um relato que pretende ensinar os caminhos para melhorar a vida e atingir a felicidade. Existe ali a noção de que a felicidade em nosso planeta não é plena, que a felicidade não é deste mundo. A Terra é uma grande escola e, passamos aqui pelas mais diversas disciplinas, objetivando a nossa formação e assim como na escola, podemos passar a vida reclamando ou aproveitando as lições. Na questão 920 de LE, os Espíritos dizem que não podemos encontrar a felicidade completa na Terra, pois a vida nos foi dada como prova ou expiação, mas que depende de nós suavizarmos nossos males e o ser tão feliz quanto possível na Terra. Suavizar os nossos males significa compreensão e aceitação das dificuldades que vivenciamos. Mas, o que precisamos para “suavizarmos nossos males e sermos tão felizes quanto possível na Terra”? Onde encontraremos a felicidade? Dentro ou fora de nós?
Todos nós temos a felicidade verdadeira dentro de nós, basta cultivá-la e ela crescerá de forma que irá atrofiando os sentimentos que nos deixam infeliz. Se dermos prioridade ao perdão, à compreensão, à caridade, ao invés do orgulho, da vaidade, ambição, melindres, não haverá espaço dentro de nós para a tristeza. O nosso caminho para nossa felicidade plena passa pela nossa evolução moral, ou seja pela nossa transformação interior e, pela prática da caridade e do amor verdadeiro ao nosso semelhante.*
Pensemos nisto!
Para complementação do estudo ver, LE – Cap. I – Felicidade e Infelicidade Relativa, questões 920/933.
*(texto com base no artigo de Mário Sérgio Vellei – Portal FEESP)

PRECE E VIBRAÇÕES –

"Coloca o teu recipiente de água cristalina à frente de tuas orações e espera e confia." [Emmanuel / Chico Xavier]

E assim, nos unindo em pensamentos e sentimentos vamos agradecendo a Jesus por mais este nosso encontro de corações e, com nosso ambiente tranquilo, vamos rogando a Jesus que suas vibrações amorosas nos envolvam, revigorando nossas energias, reequilibrando nossa saúde física, espiritual e mental. Rogamos que nossas águas sejam fluidificadas e que Êle estenda Suas mãos misericordiosas e derrame suas bênçãos sobre todos nós.
E assim, vamos agora vibrando pela Paz Mundial e pela harmonia entre todos os povos, que nosso Brasil e seus dirigentes sejam abençoados e esclarecidos. Que Tuas Luzes Senhor, inundem todas as Nações para que haja sempre compreensão e amor.
Que todos os irmãos, encarnados e desencarnados, que se encontram em sofrimento neste momento recebam o bálsamo, o lenitivo para suas dores.
Rogamos Senhor, por todos aqueles que estão à procura de um emprego, por todos aqueles que ainda não Te encontraram...
Rogamos Teu amparo Senhor, com muito carinho e respeito, pelos nossos irmãos suicidas.
Pedimos que abençoe Mestre Jesus, aos nossos familiares, aos amigos e a nós mesmos, criaturas ainda necessitadas que somos.
Inspira-nos Mestre a vermos em tudo somente o amor e a bondade. Que Vossa doce e suave influência penetre em nossas almas e nos faça enxergar a estrada do bem, que nossos olhos se fechem para todas as maldades e para todos os comentários e julgamentos menos felizes.
Que possamos compreender que somos todos irmãos e que o amor e que a compreensão devem fazer parte de nossos dias.
Seja Jesus nossa companhia, nos dê bom ânimo, nos dê alegria de viver e que Tua Paz esteja sempre conosco.
Que assim seja.

Uma abençoada semana a todos.
Paz e Luz.
 

contato

Deixe-nos um recado

Assunto
Cores